Página Inicial / ASSESSORIA DE IMPRENSA / ECONOMIA / Após pressão dos prefeitos, Governo Federal vai liberar R$ 2 bilhões para os municípios

Após pressão dos prefeitos, Governo Federal vai liberar R$ 2 bilhões para os municípios

Após mais pressão dos prefeitos junto à cúpula do Governo Federal, o Palácio do Planalto se comprometeu a repassar, esta quinta-feira (28), em edição extraoficial do Diário Oficial da União, a Medida Provisória do Auxílio Financeiro aos Municípios (AFM) no valor de R$ 2 bilhões. Segundo o secretário-geral da Confederação Nacional dos Municípios (CNM), o pernambucano Eduardo Tabosa (PSD), a palavra foi dada pelo ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun (PMDB), a um grupo da CNM e de parlamentares, um mês após o anúncio ter sido feito pelo presidente Michel Temer.

Há uma forte expectativa em torno da estratégia dos municípios para utilizar o recurso, uma vez que muitas prefeituras estão com pendência da folha do mês de dezembro e o pagamento do 13º salário, e ressaltando que amanhã não há expediente bancário.

Apesar disso, o presidente da Associação Municipalista de Pernambuco (Amupe), José Patriota (PSB), está confiante sobre a edição da MP e a viabilidade de pagar os atrasos. “Até 16h (de ontem) não tinha saído nenhuma informação, mas o ministro Carlos Marun recebeu uma delegação com pessoas da coordenação da CNM, deputados, e assegurou que o repasse seria feito a tempo”, contou.

Pernambuco receberá R$ 98 milhões desse recurso, que foi rateado, proporcionalmente, à tabela do Fundo de Participação dos Municípios (FPM). Só Recife terá R$ 10 milhões e cidades grandes, como Caruaru e Jaboatão, recebem na faixa de R$ 1,8 milhões.

O presidente da CNM, Paulo Ziulkoski, em entrevista à Folha de Pernambuco, disse que, segundo as informações que lhe chegaram, a medida provisória já estava pronta, apenas esperando a assinatura de Temer. “Ano passado foi igual com a repatriação, saiu em cima da hora. Em primeiro lugar, esperamos que o dinheiro saia. Não estamos, agora, preocupados em como executar os pagamentos atrasados”, explicou. A CNM chegou a protocolar um ofício, ontem, para reiterar a importância da liberação do recurso para os municípios.

De acordo com Ziulkoski, uma razão para a demora foi o ajustamento contábil do governo federal. “Eles pediram a carta que nós publicamos, para poder encaminhar ao Tribunal de Contas como justificativa da liberação. Porque hoje o governo alega um déficit e vai liberar um auxílio voluntário de R$ 2 bi, tem que explicar a razão. Precisam se acautelar”, ponderou o presidente da entidade. Em 2016, diz Eduardo Tabosa, os prefeitos precisaram judicializar a questão, para que a verba proveniente da repatriação de recursos do exterior fosse repassada aos municípios.

No caso de agora, os prefeitos pleitearam ao Planalto R$ 4 bilhões, na reunião com Temer em 22 de novembro. Segundo Tabosa, ficou acertado que o governo pagaria R$ 2 bilhões agora e uma promessa de até R$ 3 bilhões, desde que a reforma da Previdência fosse aprovada, uma vez que a situação fiscal estaria mais favorável. A data prevista para que essa matéria seja votada é de 22 de fevereiro.

O deputado federal Danilo Cabral (PSB) avaliou negativamente esse condicionamento da liberação de recurso à aprovação da reforma. “Se a ideia deles é usar isso para aprovar a reforma, o efeito foi contrário. Veja a reação dos governadores. Essa forma de agir, de fazer dos recursos públicos parecerem objeto de chantagem, mostra total desrespeito ao Pacto Federativo brasileiro”, verificou. (Folha PE)

Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com